Controle seu apetite em oito passos

31st outubro, 2016 by Danny Mou

No corre corre diário é comum para algumas pessoas pular o café da manhã ou almoçar muito pouco, não se alimentando de maneira correta – e com isso, invariavelmente à noite sua fome estará incontrolável, e beliscar até a próxima refeição acabará sendo inevitável.

Saber como controlar a fome é imprescindível para que você emagreça, e alimentar-se a cada três horas é o primeiro passo para não correr o risco de se descontrolar e atacar tudo o que vier pela frente quando a fome chegar. Inverta de forma gradativa esse quadro, comece o dia com um café da manhã reforçado e vá diminuindo as quantidades do que você come no decorrer do dia.

1-) Invista em atividade física, ela é fundamental para sua saúde e qualidade de vida. Ela ajudará você a emagrecer e se manter magro.

2-) Mantenha uma alimentação balanceada, com todos os grupos alimentares, proteínas, gorduras boas e carboidratos de baixo índice glicêmico. Mudanças de estilo de vida são muito eficazes no tratamento de emagrecimento.

3-) Aposte em alimentos termogênicos, capazes de aumentar o gasto calórico do organismo. Nessa lista, você encontra pimenta, chá verde, gengibre e outros.

4-) Faça check-ups periódicos, pois seu corpo precisa estar em equilíbrio para que você possa emagrecer sem riscos, e só fazendo os exames médicos da parte clínica, nutricional e hormonal você poderá detectar os entraves metabólicos que emperram a perda de peso.

5-) Aumente a ingestão de fibras, que além de melhorar o trato intestinal aumenta a sensação de saciedade.

6-) Use medicamentos quando necessário, como no caso da obesidade, que é uma doença de causa multifatorial e complexa, que em muitos casos necessita ser tratada com diversas estratégias, inclusive com o uso de medicamentos, que devem ser usados de maneira criteriosa e após avaliação detalhada do histórico do paciente.

7-) Diminua o estresse, pois estudos demonstram que o ganho de peso e os níveis de cortisol (conhecido como hormônio do estresse) estão intimamente ligados, ou seja, quanto maior o estresse, maior é o nível do cortisol e maior é a facilidade com que o indivíduo ganha peso. A má alimentação e sedentarismo fazem parte do círculo vicioso em que o indivíduo está inserido e para interromper este ciclo é necessário a adoção de hábitos e atividades que melhorem a qualidade de vida, como atividades ao ar livre, caminhadas e atividades lúdicas.

8 ) Diminua o consumo de açúcares e gorduras, pelos motivos descritos acima na matéria e segundo a Associação de Neurociências do Canadá, existem pessoas que são mais vulneráveis a se viciarem em alimentos pouco saudáveis, como os ricos em açúcares e gorduras, portanto evite-os!
Fonte: Portal Minha Vida

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Hoje vamos falar sobre pão integral

28th setembro, 2016 by Danny Mou

Como escolher o pão? Lendo o rótulo…

A tarefa de escolher nosso pão matinal não é fácil. Encontramos mais de 130 tipos de pães nas gôndolas dos supermercados. Pão integral, 100% integral, sete grãos, nove grãos, doze grãos, light, diet, cenoura, quinua, iogurte, nozes, soja, sírio integral, francês integral e até italiano integral. São muitas as variações. Tantas opções causam mais confusão do que ajudam o consumidor. O jeito é ler os rótulos e se informar para não cair em algumas armadilhas. Por exemplo, o fato de ter vários grãos não significa que o pão apresente um número maior de fibras – o pão doze grãos e nove grãos têm menos fibras que o sete grãos.

A inscrição de zero gordura trans também não deve ser levada ao pé da letra, pois obedecendo às normas da Anvisa, um alimento pode conter pequenas quantidades de gordura hidrogenada por unidade, sem a obrigatoriedade de informar no rótulo tal valor. Contudo, esse valor não declarado pode se tornar significativo, quando o consumo alcança maiores porções desse alimento.

O avanço da engenharia dos alimentos tem permitido a fortificação dos pães com inúmeros nutrientes como vitaminas, ômega 3 e ômega 6, que, pelas pequenas quantidades, poucos benefícios trazem para a saúde, não justificando a opção por esses alimentos suplementados. As informações dos rótulos, muitas vezes, não apresentam significância real, constituindo-se apenas numa estratégia para atrair o consumidor e buscar um diferencial num mercado tão competitivo.

Já o teor em sódio, em média 125 mg por fatia de pão, causa preocupação, pois assim como a maioria dos alimentos industrializados, integrais ou não, o pão contém excesso de sódio, o que dificulta a adequação do consumo recomendado, sem ultrapassar a recomendação máxima de 12 gramas de sal/dia (5 gramas de sódio).

Que pãozinho levar para casa?

Os pães são fontes práticas, baratas e saudáveis de carboidratos para as nossas refeições, principalmente para o café da manhã. Como todo alimento, o pão pode se tornar deletério quando consumido de maneira abusiva, pois tem considerável valor calórico, seja ele integral ou de farinha branca. Se observarmos seu valor calórico, o pão francês (50g) com suas 150 calorias, não apresenta muita diferença em relação ao seu equivalente integral, com suas 140 calorias em duas fatias (50g). A vantagem entre os dois são a inclusão das fibras, favorecendo os pães integrais.

As versões lights dos pães integrais foram questionadas em pesquisa recente realizada pelo Inmetro e veiculada pela mídia televisiva. O órgão fiscalizador constatou que as versões lights possuem fatias menores e com menor teor de carboidrato, o que pode não garantir a saciedade conferida pelas versões integrais normais, favorecendo o consumo de porções maiores. Assim, estes pães não cumprem sua função de alimento light, são mais caros e não apresentam vantagens em relação às versões integrais normais.

Diante das informações disponíveis, não há fundamento para abolir o consumo dos carboidratos e muito menos dos pães. Quando abolimos esse nutriente, seguimos uma dieta desequilibrada, pois abolindo os carboidratos, definitivamente excedemos no consumo de gorduras e proteínas. Com isso, além de comprometer a normalidade do metabolismo do nosso organismo, não garantimos a perda de peso. Fonte: Minha Vida

Pão integral

Trata-se de uma variedade de pão, consumido, segundo alguns autores, desde a era pré-histórica. Nessa altura, por ausência de técnicas de refinação, este tipo pão era produzido através de grãos de cereais triturados, embebidos em água ou leite, que dava origem a uma massa que posteriormente era seca ao ar e depois cozida em pedras quentes, originando o pão como produto final.

Embora possa ser constituído por farinhas oriundas de outros cereais, como o centeio ou milho, usualmente o pão integral é produzido tendo por base a farinha do grão de trigo.

O grão de qualquer cereal possui na sua estrutura diferentes constituintes, nomeadamente o pericarpo, a componente mais externa do grão; o gérmen, a camada intermédia do grão e por fim o endosperma, a sua estrutura mais interna. Na produção deste tipo de pão (integral), a farinha utilizada resulta da moagem de todo o grão. Por isso, estas três estruturas do grão, todas elas com composições nutricionais diferentes, vão estar presentes no produto final.

.
Prós e contras

O componente responsável pelos benefícios do consumo deste tipo de pão é o mesmo que leva a que este alimento seja mal tolerado por alguns indivíduos. Trata-se da fibra. O fato da farinha que constitui este tipo de pão ter sofrido um baixo processo de refinação faz com que o teor de fibra seja elevado. Esse fato torna-se vantajoso já que este nutriente, quando presente nos alimentos, leva a que estes apresentem um maior efeito saciante, diminuindo por isso a sensação de fome. Além disso, é reconhecido que a fibra insolúvel (a maior fração da fibra no pão integral) promove um aumento da velocidade do trânsito intestinal, sendo por isso benéfica em situações de obstipação.

Contudo, por outro lado, graças ao seu importante teor de fibra insolúvel, o consumo de pão integral está muitas vezes associado a um aumento da flatulência, sendo por isso, nalguns casos referido como causador de algum mal estar.

O consumo de alimentos ricos em fibra, como é o caso do pão integral, tem sido frequentemente associado a um menor risco de desenvolvimento de patologias, nomeadamente alguns tipos de cancro como cólon e reto, ou outras patologias crônicas como é o caso da diabetes ou obesidade.

.
Lado a lado com…

O alimento com o qual é mais frequentemente comparado é sem dúvida com o pão de trigo refinado, o chamado pão branco. A idéia de que o pão integral é menos calórico que o pão branco não passa de um mito, já que uma fatia de pão integral (cerca de 28g) apresenta perto de 69kcal, enquanto uma fatia de pão branco (25g) apresenta 66kcal. Os teores de gordura e de glicídios são semelhantes nos dois tipos de pães. As grandes diferenças surgem pelo fato do pão integral apresentar um maior teor de proteína, de vitaminas, nomeadamente as do complexo B, minerais como o magnésio, e por fim maior teor de fibra.

.
Com peso e medida

A inclusão deste alimento na dieta habitual é aconselhado por muitas organizações, como American Dietetic Association, sendo também frequentemente indicado nas dietas de controlo de peso. O incentivo ao consumo deste alimento não resulta do seu valor calórico, pois esse é muito semelhante ao do pão branco, mas sim pelo seu elevado teor em fibra. A presença deste nutriente poderá ajudar no controlo de apetite, graças ao seu importante efeito saciante. O fato de ser rico em muitas vitaminas e minerais, pode igualmente ajudar a combater eventuais carências nutricionais resultantes da prática de dietas de redução ponderal mais restritivas. Fonte: Nutrition Data

Mais informação sobre Pão Integral AQUI NO BLOG!

Minhas receitas de Pão Integral:
- Pão Integral de Liquidificador
- Pãozinho Integral Recheado

Postado originalmente no Blog em 28/02/2009

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» 3 COMENTÁRIOS »

Conheça os benefícios do coco e seus derivados!

29th junho, 2016 by Danny Mou

Coco ajuda a controlar o açúcar do sangue e no emagrecimento

O coco, delícia tropical, é um alimento funcional por excelência: todos os seus derivados têm importantes ações que contribuem para a saúde do nosso corpo. O coco é rico em compostos fenólicos – antioxidantes que agem contra os radicais livres. O coco ajuda a relaxar os nervos e os músculos, baixa o nível de pressão arterial, controla o açúcar no sangue, produz um perfil lipídico mais saudável (HDL alto e LDL baixo), contribui para a imunidade, reduz a inflamação de articulações e auxilia no emagrecimento.
.

Mil e uma utilidades
Tudo se aproveita no fruto: água de coco, polpa verde, polpa madura, leite de coco, óleo de coco, farinha de coco e, mais recentemente, o açúcar de coco. Ele é versátil, pode ser usado em uma infinidade de pratos doces e salgados, e no preparo de um leite vegetal para os que têm intolerância à lactose ou para os que querem fazer um detox evitando laticínios.
.

Água de coco
A água de coco é excelente fonte de minerais, principalmente potássio, cálcio e magnésio, e também selênio, iodo, enxofre, zinco, manganês, ácidos orgânicos, enzimas, fitonutrientes, aminoácidos e vitamina C. Ela tem ação hidratante, mineralizante, diurética, antioxidante e evita câimbras. A água de coco melhora a função intestinal. Possui poucas calorias, uma média de 40 por copo de 200 ml.
.

Polpa do coco verde X Polpa do coco seco
Existem algumas diferenças no teor de nutrientes, de acordo com o amadurecimento do fruto. Polpa verde: 50 gramas contêm 35 calorias, 0.7 gramas de proteína, 1.8 gramas de gordura, 5 gramas de carboidrato, 0.4 gramas de fibras, 130 miligramas de potássio. Polpa madura: 50 gramas contêm 195 calorias, 1.8 gramas de proteína, 20 gramas de gordura, 2 gramas de carboidrato, 4 gramas de fibras, 180 miligramas de potássio.
.

Coco maduro
Muitos evitam o coco por considerá-lo calórico e gorduroso. A polpa do coco maduro é uma excelente opção para quem luta contra o peso – ela contém muitas fibras e sua gordura composta por ácidos graxos curtos não é estocada pelas células, ajuda a saciar e dá energia. Além disso, mantém o metabolismo ajustado e regula a função tireoidiana.

A polpa do coco maduro vem recheada com vitaminas, A, C, E e do complexo B, sais minerais, magnésio, potássio manganês, selênio, zinco, ferro, sódio, cálcio e fósforo, polifenóis e fitoesteróis que trabalham juntos para reduzir os níveis de colesterol LDL, o ruim. A quantidade indicada é 1/4 da polpa do coco seco, 50 gramas, na hora do lanche.
.

Óleo de coco
Um fato interessante no aspecto nutricional do coco é que apesar de conter um nível elevado de gorduras saturadas (90% da usa composição), elas são formadas basicamente por ácidos graxos de cadeia curta e média que não são armazenados pelo corpo e fornecem energia imediata. A gordura do coco é rica em ácido láurico (50% do total de lipídios) com propriedades antibacterianas, antifúngicas e antivirais

Este ácido graxo ativa o sistema imunológico e aumenta a capacidade de combater doenças. Uma das ações do ácido láurico é a manutenção da elasticidade dos vasos sanguíneos, além de varrer os depósitos de colesterol e outros detritos metabólicos, deixando os vasos limpos, o que contribui para reduzir o risco de arteriosclerose e doenças cardíacas. Pode ser usado no preparo de alimentos, consumido ao natural ou acrescentado em vitaminas e shakes.
.

Leite de coco
O leite de coco é rico em gordura saturada saudável que o corpo facilmente quebra e usa como fonte de energia. Pesquisas mostram que as populações que consomem leite de coco têm baixas taxas de doença cardíaca. O leite, extraído da polpa do coco, contém muito ácido láurico, potássio, magnésio, cálcio, fósforo, ferro, selênio, sódio, proteína e vitaminas C, E, B1, B3, B5 e B6. É um leite cremoso, sem lactose, saboroso, melhora a digestão e pode aliviar os sintomas de hiperacidez, úlceras e refluxo.
.

Farinha de coco
A farinha de coco é muito rica em fibras, ajuda na saciedade, melhora a função intestinal, regula o açúcar no sangue e os níveis de colesterol. Ela tem baixo teor de gordura, pois é preparada a partir do bagaço após a retirada do leite de coco, onde está a gordura. Ela pode ser usada ao natural (no suco, vitamina ou iogurte) e no preparo de pães, bolos e biscoitos, tornando estas gostosuras permitidas na dieta e aliadas da perda de peso. É livre de glúten e hipoalergência. Seu teor de fibras não digeríveis é maior do que de qualquer outra farinha ou farelo: 10 gramas de farinha de coco fornecem 4 gramas de fibra, e por isso promove saciedade com a sensação de estar “cheio” por mais tempo. Os estudos mostram que o uso regular da farinha de coco (2 colheres de sopa por dia) ajuda a reduzir em até 10% a ingestão de calorias, o que permite um emagrecimento gradual e saudável.
.

Perda de peso
A pesquisa atual comprova que deixar de comer gordura ou não ingerir quantidade suficiente faz com que se ganhe peso. Claro que é importante escolher as gorduras certas (as que trazem benefícios) e evitar as frituras e gorduras trans. Gorduras ricas em triglicerídeos de cadeia curta e média, como a presente no coco, ajudam a controlar o apetite e ainda dão uma acelerada no metabolismo.

Perder peso quando se faz uma dieta pode ser bem mais fácil com a adição da gordura do coco. Um estudo publicado na revista Obesity Research mostrou que o ácido láurico presente no coco aumenta o gasto energético e reduz a adiposidade em homens obesos. Outro estudo publicado no Journal of Nutrition constatou os efeitos fisiológicos dos ácidos graxos de cadeia média como agentes potenciais na prevenção da obesidade.
.

Coco no dia a dia
Por sua versatilidade o coco serve para uma variedade de propósitos na cozinha, do café da manhã ao jantar, em lanches caprichados ou em dias de festa, em pratos salgados ou doces. O coco definitivamente é muito fácil de usar e deve ter um lugar em seu cardápio diário. Cozinhe com óleo de coco para deixar seus alimentos mais saudáveis. O leite de coco pode substituir o leite e o creme de leite nas receitas, deixando o prato mais leve. Arroz doce com leite de coco é uma variação muito interessante. Pães, biscoitos e bolos preparados com o leite, o óleo e a farinha de coco ficam com um sabor delicioso e muito macios. Experimente também em suflês e mousses. Troque sucos calóricos e açucarados por água de coco, e não dispense a polpa verde. Na hora do lanche coma um bom pedaço de coco maduro. Sua saúde agradece! Fonte: Portal Minha Vida

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Onze alimentos desintoxicantes

3rd junho, 2016 by Danny Mou

A desintoxicação consiste no processo de eliminação dos excessos e das toxinas acumuladas no organismo.

Alimentação desintoxicante é uma forma de proporcionar ao corpo um “banho interno diário”, que tem como objetivo facilitar a saída das toxinas presentes no organismo em virtude dos excessos alimentares.

Essas toxinas são substâncias nocivas encontradas em aditivos, conservantes, corantes, adoçantes ou mesmo na poluição. Se por um lado, a alimentação pode causar intoxicação, por outro lado, existem alimentos como frutas e grãos, que ajudam a desintoxicar o organismo de forma natural e saudável.

Confira a seguir alguns desses alimentos que ajudam a desintoxicar o organismo:

Abacaxi:
O abacaxi é diurético, facilita a digestão, especialmente de carnes, e desobstrui o fígado.

Arroz Integral:
Rico em fibras, o arroz integral faz o intestino funcionar melhor e favorece a eliminação de toxinas, mantendo a pele saudável.

Maçã:
A maçã é rica em fibras, que funcionam como esponja dentro das artérias limpando o sangue do colesterol. É recomendada nas afecções de estômago, bexiga e rins. Antiácidas, ativam o fígado e dissolvem o ácido úrico, que retém líquidos no organismo.

Mel:
Além de adoçar sucos e chás, o mel pode ajudar a tratar muitas doenças, como gripe, asma, amigdalite e bronquite. Delicioso e fresco ainda auxilia problemas de circulação e dos músculos.

Melancia:
A melancia tem propriedade refrescante e diurética, ajudando a limpar o organismo. Uma ótima receita é preparar o suco de melancia com gengibre, outro poderoso desintoxicante.

Laranja:
A laranja tem ação desintoxicante e auxilia o funcionamento intestinal, principalmente quando ingerida com o bagaço.

Gengibre:
O gengibre estimula a digestão, alivia a constipação intestinal e ativa o metabolismo. Contém quantidades pequenas de vitamina C, cálcio, potássio, ferro, fósforo e magnésio. É rico em fibras e é usado como um alimento digestivo e refrescante.

Couve:
A couve carrega doses de ferros, que ajuda na formação de hemoglobina que transporta oxigênio para os tecidos.

Berinjela:
A berinjela é muito digestiva, nutritiva e laxante, por esse motivo é indicada nos casos de indigestão e prisão de ventre.

Hortelã:
A hortelã é uma erva rica em vitaminas A,B e C, minerais (cálcio, fósforo, ferro e potássio), que exercem ação tônica e estimulante sobre o aparelho digestivo, pode ser utilizada em chás, saladas e preparações em geral. Uma boa pedida é o suco de abacaxi com hortelã.

Salsão:
O salsão é rico em fibras, que favorecem o trânsito intestinal. Fonte: Blog Vitao

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Vitaminas que ajudam a proteger a pele!

30th abril, 2016 by Danny Mou

Fuja de acne, cravos, envelhecimento e rugas consumindo nutrientes

Até os menos vaidosos ficam incomodados com problemas de pele, como acne, cravos e rugas profundas. Mesmo alguns cuidados, como evitar sair de casa sem passar protetor solar e a utilização de cremes antienvelhecimento, podem não ser o suficiente para deixar a pele jovem e saudável. “A pele também precisa de nutrição, principalmente a de quem tem histórico de problemas dermatológicos, como acne, espinhas e cravos”, explica a nutricionista Daniela Jobst, da Unifesp. Dentre todos os nutrientes, as vitaminas ganham destaque, já que o consumo de algumas delas deixam a pele mais saudável e protegida da ação do tempo.

Acne – Espinhas
As espinhas, ou acne, formam-se porque há um entupimento no poro que drena para a superfície da pele as gorduras produzidas pela glândula sebácea. Esse tampão pode inflamar o poro, deixando as lesões avermelhadas, pustulosas e com aparência desagradável.”A vitamina A, também chamada de retinol ajuda na saúde da pele, pois tem ação antioxidante e auxilia na restauração de lesões na pele”, explica a nutricionista Daniela Jobst, da Unifesp. Esse nutriente também balanceia a produção de secreções das glândulas sebáceas, dificultando que os poros fiquem entupidos e inflamados.

A vitamina A pode ser encontrada com facilidade em alimentos consumidos no dia a dia, mas suas principais fontes são abacate, brócolis, cenoura, espinafre e outros legumes verdes.

.
Rugas
“A vitamina B2, ou riboflavina, auxilia na saúde da pele, pois ajuda a aumentar a produção de energia. Sua ausência pode provocar lesões na pele e nos lábios, dermatite, entre outras inflamações. Ela também impede o cabelo e as unhas de ficarem secos e quebradiços”, explica a especialista. Além disso, essa vitamina promove uma renovação celular mais acelerada, deixando a pele firme e saudável, o que combate rugas e marcas de expressão no rosto.

“O leite é a maior fonte de vitamina B2 que encontramos na natureza e deve fazer parte da dieta de quem busca retardar o envelhecimento da pele. Laticínios, como queijo e iogurte, também são boas fontes de B2″, diz Daniela Jobst. Mas as pessoas com alergia a lactose devem tomar cuidado com o consumo desses alimentos e devem procurar outras fontes da vitamina B2, como fígado e folhas verdes.

.
Cravos

Os cravos são formados pelo acúmulo de substâncias sebáceas nos poros da pele. Esse processo é mais comum quando o indivíduo tem má circulação, o que dificulta o transporte de nutrientes que possam dilatar os poros. A vitamina B3 é importante porque facilita a circulação sanguínea em todo o corpo, inclusive na pele, o que contribui para o metabolismo das gorduras, proteínas e carboidratos.

.
Envelhecimento
Famosa por ser usada na prevenção de gripe e resfriado, a vitamina C também traz benefícios às células da pele. Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition examinou as relações entre a ingestão de nutrientes e o envelhecimento da pele em mais de quatro mil mulheres, com idade entre 40 e 74 anos. Foi constatado que a ingestão de vitamina C mais elevada estava associada a uma menor probabilidade de ter uma aparência enrugada e a pele ressecada. Isso acontece porque a vitamina C é um antioxidante natural que auxilia na formação do colágeno, responsável pela elasticidade e firmeza da pele. Segundo a nutricionista Daniela Jobst, a vitamina E também tem a função de antioxidante e protege as células da ação dos radicais livres, o que retarda o envelhecimento da pele.

A vitamina C pode ser encontrada em frutas cítricas, como laranja, limão, abacaxi e morango, além de vegetais, como repolho, cebola e pimentão. Já verduras – como alface, agrião, espinafre e couve -, óleos vegetais, ovos, semente de girassol, soja, banana, carnes e oleaginosas são fontes de vitamina E.

.
Irritações e lesões na pele
Na hora se barbear ou depilar com gilete, é comum que a pele fique irritada, e em alguns casos, até lesionada. A vitamina B6 tem ação cicatrizante e age no sistema imunológico do corpo, protegendo a pele com inflamações, e também acelerando o processo de cicatrização das feridas. “Essa vitamina pode ser encontrada em batata, banana, peito de frango, semente de girassol, salmão, atum e abacate”, diz a nutricionista. Fonte: Portal Minha Vida

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» 1 COMENTÁRIO »