Obesidade feminina exige controle

1st abril, 2016 by Danny Mou

Doença é considerada crônica e precisa de tratamento multidisciplinar com endocrinologista, psicólogo e nutricionista

O excesso de peso é prejudicial tanto para homens quanto para mulheres. Mas para a população feminina os efeitos da obesidade podem afetar até na hora de engravidar, causando a infertilidade. Números do IBGE mostram que cerca de 48% das brasileiras estão acima do peso e 18% delas são obesas.

De acordo com o gastroenterologista e cirurgião no Ambulatório de Tratamento da Obesidade e Cirurgia Bariátrica do Hospital São Camilo Santana, Ivan Vasconcellos, a obesidade pode trazer uma série de patologias às mulheres,
dentre elas, diabetes tipo 2, hipertensão, doenças cardiovasculares (infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e tromboses), apneia do sono, problemas musculoesqueléticos (artrose, degeneração das articulações e
hérnia), depressão, infertilidade e neoplasias. “A obesidade causa alterações hormonais que provocam doenças como câncer de mama e de endométrio, devido à elevação do hormônio estrogênio, além de infertilidade, irregularidade menstrual e síndrome do ovário policístico.”

.
Tratamento

​Por ser uma patologia crônica, de causa multifatorial, o médico indica que a paciente procure grupos ou centros de tratamento de obesidade, que incluam avaliação com endocrinologista, nutricionista e psicólogo. “A paciente receberá instruções conforme cada caso, mas sempre incluirá atividade física bem orientada, controle alimentar individualizado e, em casos selecionados, medicamentos ou encaminhamento para procedimentos cirúrgicos”, explica Vasconcellos.

.
Saúde é fundamental

• Alimente-se em horários​ regulares, com intervalos de três horas, em quantidades pequenas.

• Coma todos os tipos de alimentos – proteínas, carboidratos e fibras.

• Não há comprovação científica de que dietas radicais tenham melhor resultado, no entanto, quanto menor a ingestão de carboidratos “puros”, como massas brancas, derivados da farinha, doces, refrigerantes, fast-food, melhor o resultado.

• Realize, no mínimo, 150 minutos de atividade física por semana, divididos em três vezes. Se for mais que isto, melhor.

​• Evite atividades com impacto ou muito cansativas no início, privilegiando reforço dos músculos, tendões e ligamentos. Aumente a frequência e a intensidade.

• Procure incorporar as medidas acima como um hábito de vida.

Fonte: Ivan Vasconcellos, gastroenterologista e cirurgião no Ambulatório de Tratamento da Obesidade e Cirurgia Bariátrica do Hospital São Camilo Santana.

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Mais de 50% dos brasileiros estão acima do peso!

6th julho, 2015 by Danny Mou

A cirurgia bariátrica é uma das alternativas para o tratamento de pessoas que apresentam IMC superior a 40 ou acima de 35 com mais uma comorbidade, como diabetes ou pressão alta!

Uma pesquisa realizada pela Bariatric Surgery Worldwide aponta que 1,7 bilhão de pessoas no mundo sofrem com o excesso de peso e obesidade. O Brasil é o segundo país que mais realiza cirurgias de redução de estômago, chegando, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a 72 mil cirurgias em 2012, perdendo apenas para os Estados Unidos que, no ano de 2003, realizaram cerca de 150 mil procedimentos do gênero. Dados da pesquisa do VIGITEL (Vigilância de Fatores de risco e proteção para doenças crônicas por Inquérito Telefônico) revelaram que 52,5% dos brasileiros estão acima do peso e 17,5% são obesos.

Segundo o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Jose Luis Lopes, o risco durante a cirurgia bariátrica é menor que 2%. “Por outro lado, os problemas de não fazer e continuar obeso são muitos, como o de desenvolver pressão alta, diabetes, dislipidemia (colesterol e/ou triglicérides altos), artropatias (doenças articulares por desgaste) e apneia do sono (alteração na respiração durante o sono). Esses riscos acarretam na diminuição da expectativa de vida do paciente”, alerta.

.

A cirurgia

Existem três tipos de cirurgia: restritiva, caracterizada pela diminuição da quantidade de alimentos que entra no trato gastrointestinal, mal absortiva, que reduz a capacidade de absorção do intestino, e mista, que utiliza as duas técnicas. A mista (bypass em y de Roux) é a mais equilibrada e com bons resultados a curto e longo prazos.

Inicialmente, a cirurgia é indicada para pessoas que apresentam índice de massa corporal (IMC = peso/ altura x altura), superior a 40 ou acima de 35 com pelo menos uma comorbidade (diabetes, pressão alta etc.). “A cirurgia não deve ser vista como último recurso, mas usada precocemente para evitar a progressão de doenças relacionadas à obesidade, auxiliando a aumentar a longevidade e qualidade de vida das pessoas”, esclarece Lopes.

.
Mude os hábitos de vida

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), em média, metade dos pacientes que passam pelo procedimento voltam a engordar parcialmente e cerca de 5% das pessoas recuperam o peso que tinham antes de fazer a cirurgia.

“Mesmo depois da cirurgia, é importante que o paciente tenha uma mudança nos hábitos alimentares e comece a fazer exercícios físicos, visando uma melhor qualidade de vida”, recomenda o gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, José Luis Lopes.
Fonte: José Luis Lopes, gastroenterologista na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Dicas para combater a obesidade infantil

28th abril, 2015 by Danny Mou

Um estudo publicado na Public Health England afirma que dar pequenos pratos com uma quantidade maior de comida ajuda crianças obesas a pararem de engordar. Mas você sabe qual a ligação entre o tamanho do prato e a saciedade?

A coordenadora psicossocial na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Rita de Cássia Calegari, afirma que a ideia é “enganar o cérebro” da criança, ou seja, quando a comida é farta, colorida e bonita, nosso cérebro processa visualmente a comida e produz estados de saciedade: “na cultura latina, pratos grandes e fartos são associados à emoção de abundância, prazer e saciedade. Desta forma, desde criança associamos esse tipo de refeição às emoções positivas, relacionadas à família e ao amor”.

Por isso, ao ofertar pratos menores, mas em maior número de vezes, o cérebro terá a sensação de fartura sem aumentar a quantidade de calorias e, em consequência, o peso.

A obesidade infantil pode ter forte influência da genética, dos hábitos e da cultura de alimentação da família e, principalmente, do emocional da criança que normalmente estão associadas a algum sofrimento, como separação dos pais, bullying e eventos traumáticos.

Por conta disso, é importante passar por uma avaliação e ter uma orientação médica para iniciar a perda de peso com saúde. Os pais e toda a família também têm papel fundamental nesse processo que consiste em dar o exemplo, além de sempre incentivar a criança.

Criticar, humilhar, castigar e punir não ajuda, só atrapalha e desmotiva. Os pais devem motivar seus filhos, entender sua dificuldade acreditar que são capazes. “Neste período, os pais devem evitar as sabotagens – se a criança está em reeducação alimentar para perder peso, não vale premiar com comida, dar chocolate ou encher a despensa com biscoitos e balas”, afirma Rita.

.

Além dessas dicas, a coordenadora psicossocial da Rede de Hospitais São Camilo acrescenta que a família tem que cozinhar, pois preparar os alimentos em casa é extremamente importante para perder peso e mantê-lo: “Quando a criança participa da ida ao mercado, da escolha dos produtos, embala e desembala as compras, ajuda na escolha do cardápio e na preparação dos pratos, ela se reeduca também”.

Todo esse processo requer tempo e planejamento – elementos essenciais para evitar o sobrepeso -, pois comer o que tem pronto é o jeito mais rápido de engordar. Planejar o que se vai comer, escolher os ingredientes e preparar a refeição, diminuem aquela urgência pelo alimento.

Então não se esqueça: os casos de sucesso na perda de peso estão relacionados diretamente com a reeducação alimentar e não nas dietas restritivas. Emagrecer requer disposição de investir seu tempo no preparo das refeições. É uma escolha de como gastar bem seu tempo.
Fonte: Rita de Cássia Calegari, coordenadora psicossocial na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Síndrome da Fome Noturna

16th dezembro, 2014 by Danny Mou

Problema faz com que muitas pessoas passem o dia sem comer,
mas sintam fome durante a noite

Definindo a síndrome
A Síndrome da fome noturna foi descrita na década de 50 e, de acordo com os autores que a relataram pela primeira vez, as suas principais características são o excesso de fome noturna – a hiperfagia, – que leva a um consumo alto de calorias neste período; a ausência de fome pela manhã, normalmente com pouca ingesta ou ausência de desjejum, e os problemas de sono, principalmente a dificuldade para começar a dormir (insônia inicial).

Acredita-se que a Síndrome da fome noturna está presente em até 25% da população com aumento de peso. Ela é muito mais comum do que se imagina! Ainda não está claro, contudo, quais os fatores que a desencadeiam, mas parece que há um desbalanço em alguns fatores de regulação neuroendócrina relacionados ao ritmo circadiano.

Vamos explicar melhor. Alguns hormônios como a melatonina, que é liberado durante o sono, genes do nosso organismo (os chamados “clock gens”), juntamente com a serotonina, sabidamente têm ação no controle do ritmo circadiano.

O ritmo circadiano nada mais é que o equilíbrio que ocorre no nosso organismo durante a noite e o dia, ou durante o sono e a vigília e todos os ajustes que se fazem necessários em nosso corpo para que isto ocorra. E justamente aí esta o problema: um descompasso entre a melatonina, os clock genes e a serotonina fazem com que as pessoas com a Síndrome da fome noturna acabem tendo fome à noite, perda do apetite de dia e problemas com o sono.

Curiosamente, essas pessoas preferem alimentos muito calóricos, ricos em gorduras e com baixo índice de fibras. Os cientistas acham que estes tipos de alimentos, como os chocolates, conseguiriam ativar de maneira mais eficaz os centros do prazer no cérebro, por isto a preferência.

Quem tem maior chance de desenvolver a Síndrome da fome noturna?
Embora tanto homens quanto mulheres possam ser acometidos, alguns estudos demonstram uma frequência discretamente maior em homens. A maior predisposição à síndrome tambem está associada a distúrbios do humor (normalmente quadros de depressão e ansiedade) e em pessoas que já apresentam fatores que interferem no ritmo circadiano, como por exemplo os trabalhadores noturnos (seguranças, profissionais de saúde, bombeiros, policiais, etc.).
Complicações

O principal problema da síndrome da fome noturna está relacionado ao aumento de peso e suas consequências – como apressão alta, diabetes , alteração de colesterol -, que fazem parte do que chamamos de síndrome metabólica – a maior causa de mortalidade em todo o mundo.

Pessoas que trabalham em turnos alternados têm padrões diferentes de sono durante as 24 horas devido às mudanças na sincronização dos seus ritmos corporais com o ciclo de claro e escuro. Essas alterações de sono já foram associadas a distúrbios metabólicos, doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade, dentre outros. Em amplos estudo realizados, observou-se que a obesidade era mais comum nas pessoas que trabalhavam em turnos noturnos, em comparação com pessoas que só trabalhavam em turnos diurnos. Além disto, esses trabalhadores apresentavam aumento de gordura no sangue (triglicérides) e diminuição do colesterol bom. Em outros estudos, demonstrou-se que pessoas que trabalham de noite também apresentam aumento de açúcar no sangue, colesterol, pressão arterial, circunferência abdominal e Índice de Massa Corporal (IMC).

Tratando o problema
Existem várias opções de tratamento para a Síndrome da fome noturna, mas, basicamente, duas abordagens são necessárias A primeira opção é o tratamento comportamental – com psicoterapia e mudanças de hábitos de vida -, mas, em algumas situações, o endocrinologista precisa introduzir medicação. Algumas dicas podem ajudar a atenuar o problema são:

- Não fique em jejum pela manhã. Fazer café da manha regularmente é fundamental;

- Fracione bem a alimentação durante o dia;

- Tenha horários regulares para se alimentar (não mudar muito os horários de comer);

- Prefira alimentos com baixo índice glicêmico (produtos integrais) durante todo o dia e principalmente à noite;

- Coma lentamente e sem fatores de distração, como a televisão, principalmente no período noturno;

- Evite qualquer fator que possa influenciar no sono noturno, como a ingestão de cafeína após as 18h, por exemplo, ou atividade fisica logo antes de deitar;

- Tente ter regularidade de sono, evitando trabalho em turnos, e dormir pelo menos 6 horas por noite;

- Evite ter alimentos de alta densidade calórica disponíveis em casa.

Em resumo, embora ainda pouco reconhecida, a Síndrome da Fome Noturna é um problema que acomete muitas pessoas e deve ser identificado o quanto antes, seja pelo próprio paciente e seus familiares, ou pelo endocrinologista. Pequenas mudanças no estilo de vida e, às vezes, medicação podem trazer grandes benefícios. Fonte: Portal Minha Vida

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »

Hormônio que diminui a fome é ineficaz em obesos

23rd agosto, 2013 by Danny Mou

Pesquisa concluiu que pessoas com obesidade não respondem ao glucagon, responsável por reduzir a ação de hormônios ligados ao apetite!

O hormônio conhecido como glucagon é um dos responsáveis por ajudar a controlar o apetite das pessoas. No entanto, ele perde a sua capacidade de ativar a sensação de saciedade em obesos, segundo revelou um novo estudo feito na Alemanha. A descoberta, que pode ajudar a explicar a grande dificuldade que indivíduos com excesso de peso têm em emagrecer, foi publicada nesta terça-feira no periódico The Endocrine Society Clinical Endocrinology & Metabolism.

O glucagon é secretado pelo pâncreas e a sua principal função no organismo é sinalizar ao corpo que os níveis de glicose no sangue estão baixos e que é preciso liberar o açúcar que está armazenado. É um papel oposto ao da insulina, hormônio também secretado pelo pâncreas, mas que tem como função diminuir a taxa de glicose na corrente sanguínea quando ela está alta.

Há cada vez mais evidências de que o glucagon também desempenha um papel importante na regulação do apetite. Aparentemente, ele envia ao corpo o sinal de que é preciso reduzir a secreção de hormônios que aumentam a fome, como a grelina. “Uma vez que uma pessoa se torna obesa, o glucagon não as induz mais à sensação de saciedade”, diz o coordenador do estudo, Ayman Arafat, pesquisador do Charité-University Medicine, em Berlim, um dos maiores hospitais universitários da Europa.

A pesquisa de Arafat foi feita com 11 pessoas obesas, 13 pessoas com diabetes tipo 1 e 13 pessoas saudáveis e magras. O objetivo de analisar indivíduos com diabetes tipo 1 era saber se esta doença interfere na ação do glucagon. Isso porque, em pessoas com a condição, o pâncreas não produz quantidade suficiente de insulina, então os pesquisadores queriam saber se a doença também prejudicava a produção do glucagon — o que não aconteceu. Ou seja, os problemas com a resposta a esse hormônio acontecem exclusivamente devido ao excesso de peso.

No estudo, os participantes receberam injeções de glucagon e de placebo. Eles relataram se estavam com fome e a equipe também analisou seus níveis de grelina para medir o apetite dos voluntários. De acordo com os resultados, a sensação de saciedade entre os participantes obesos foi a mesma tanto quando eles receberam o glucagon quanto o placebo. Ou seja, eles não responderam ao hormônio. No entanto, os outros voluntários relataram sentir significativamente mais saciedade quando receberam o hormônio em comparação com o placebo.

“Embora agentes que influenciam o glucagon e outros hormônios sejam considerados como um caminho promissor para as pesquisas sobre obesidade, o nosso estudo sugere que terapia envolvendo o glucagon pode ser ineficaz em reduzir o apetite de pessoas obesas”, diz Arafat. Fonte: Veja Saúde

Sugestão de leitura:


Siga @danny_mou no Instagram!

» COMENTÁRIOS AQUI »